Como a Psicologia pode ajudar quem sofre com a Obesidade?

Quando se pensa em Obesidade, vem logo à mente a imagem do médico, nutricionista ou educador físico como profissionais que saberão discorrer sobre esse assunto (seguindo, principalmente, a máxima da dieta e atividade física para emagrecer). Mas e o psicólogo? O que ele pode dizer sobre a Obesidade?

Em primeiro lugar, é preciso colocar que a Psicologia não se propõe a ser uma terapêutica do emagrecimento. 

Ela busca desconstruir a ideia de que as pessoas têm que necessariamente emagrecer para poderem se sentir melhor em relação a elas mesmas e seus corpos.

Ela sustenta a premissa que sentir-se bem com o próprio físico passa por um empoderamento sobre o próprio corpo e a própria história de vida e não está ligado ao número na balança.

A Psicologia, assim, quer desconstruir a ideia da adequação e normatização do corpo a partir de um padrão estabelecido externamente, revogando, dessa forma, a singularidade e o desejo nesse corpo.

Ela, na verdade, ajuda o sujeito a descobrir a sua verdade e empoderar-se sobre ela e seu físico ajudando-o a encontrar o seu caminho singular em sua história de vida. Um corpo que não é da capa da Boa Forma e tem o charme com suas covinhas, com seu tornozelo saliente, no tamanho ampliado de suas mãos.

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia define que o diagnóstico da obesidade em adultos é feito, de forma predominante, a partir do cálculo do IMC (Índice de Massa Corporal) que é o peso dividida pela altura ao quadrado. Se ele é acima de 30, a pessoa é considerada obesa.

A Psicologia aponta, em contrapartida, que não é um número que define o sujeito. Ele não é seu peso e ele que sabe da sua história e do seu desejo.

É possível estabelecer, nesse sentido, que a Psicologia disserta sobre o corpo, o desejo e o empoderamento. Sobre a obesidade, falam o médico, o nutricionista e o educador físico que estão interessados em uma métrica de resultados.

Não há nada de errado nisso; são apenas visões e atuações profissionais completamente distintas e que podem ser complementares, inclusive, dependendo do caso.

É importante deixar claro que a Psicologia não faz uma defesa da obesidade. Ela sustenta que as pessoas não precisam necessariamente emagrecer para poderem se sentir bem em relação a elas mesmas e nem que elas precisam necessariamente estar gordas para isso.

Ela não se propõe a ser uma terapêutica da aceitação e da resignação no sentido “preciso me aceitar nesse corpo que eu odeio” e “devo aceitar as migalhas que a vida me dá”. Não é isso.

Ela propõe a promoção de autonomia e desejo sobre o próprio corpo (que pode até ser emagrecer se fizer sentido para o sujeito).

Neste sentido, a Psicologia sustenta o deslocamento dentro do discurso do sujeito da afirmativa “preciso emagrecer para ser feliz” para “quero cuidar melhor da minha saúde e do meu corpo ao entender melhor a minha relação com a comida”.

Esse deslocamento sustenta a saída do campo da obrigação e da necessidade para o campo do desejo promovendo emancipação psíquica, flexibilidade interna e maior compreensão interna por parte do sujeito.

Ela propõe, desse modo, que o sujeito possa se pensar e se questionar sobre seu corpo; que ele possa se perguntar qual a história por trás da insatisfação sobre seu físico e de sua relação patológica com a alimentação; que ele possa se reconhecer para além do peso.

Quais incômodos foram engolidos ao longo de sua história? Que identificações te aprisionaram? Quanta raiva e culpa ficaram presas “goelas abaixo” Quais planos e desejos ficaram soterrados embaixo do tapete em meio a deveres e obrigações?

Percebo, a partir da minha prática clínica, o que ancora muitas vezes o sujeito no efeito sanfona, na briga intensa com a balança aprisionando-o num estado de baixa autoestima é a lógica “tudo ou nada”. Ou menos 20kg na balança ou nada. Ou sou o funcionário do mês ou nada. Ou obtenho a aprovação e o reconhecimento dos outros do jeito que imagino ou nada. Ou me sinto satisfeito em TODAS as áreas da minha vida ou nada. Isso alimenta muita insegurança e gera no sujeito uma instabilidade emocional bastante intensa (alternando estados de euforia com uma melancolia e desamparo profundos).

Essa ideia encontra correspondência na tese da psicanalista Ana Cecilia Magtaz. Ana Cecilia argumenta que a compulsão alimentar, a anorexia, a bulimia e a obesidade possuem um funcionamento psíquico melancólico que é caracterizado, entre outras coisas, pela lógica “tudo ou nada” e por um intenso sentimento de culpa. Ou seja, todos os sintomas com uma relação patológica com a comida e com o corpo tem como “raiz psíquica” a culpa e a lógica “tudo ou nada”, dizendo de forma resumida.

Mas como lidar com isso? Como sair da lógica “tudo ou nada”, elaborar a culpa e resgatar o prazer e a autoestima na relação com o corpo? Esse é um assunto para um próximo artigo! 🙂

É importante dizer que falo aqui da Psicologia dentro do meu referencial teórico e a partir da minha prática clínica que é a Psicoterapia de orientação psicanalítica.

Quer saber de uma forma mais aprofundada como resgatar sua potência e autoestima na relação com seu corpo? Baixe agora mesmo gratuitamente nosso e-book “Transformando o peso em leveza” para não se sentir mais refém do sofrimento na relação com seu físico

Se você gostou desse texto, dê um like ou “compartilhar” aí embaixo para que mais pessoas possam se pensar e empoderar sobre seu físico.

Fique à vontade para deixar comentários e dúvidas aí embaixo me contando o que você achou!

Nos vemos no próximo post!

Referência:

MAGTAZ, Ana Cecília. Distúrbios da oralidade na melancolia. 2008. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Obesidade: o que é obesidade? Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. In: https://www.endocrino.org.br/obesidade/ (acesso em 05/07/17)

Quer saber mais sobre autoestima, corpo e empoderamento?

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>

 

 

 

 

Escreva aqui seu comentário