A dor de ser gordo

Há um sofrimento silencioso, uma solidão e uma dor em ser gordo hoje em dia. Seja pelos assentos diminutos no transporte público; seja pela dificuldade em se vestir com as roupas que “quer” e não com as que cabem, ser gordo é sinônimo de sentir-se fora do lugar.

Ser gordo significa não ter a liberdade de escolher o que quiser no prato (seja salada ou uma picanha com fritas), pois TODAS as suas escolhas serão alvo de olhares de julgamento e comentários.

Pressupõe-se assim que ou a pessoa gorda está fazendo dieta ou deveria estar fazendo dieta. Sempre. Não há respiro. Não à toa a pessoa gorda se sente tão sufocada e aprisionada pelos olhares alheios.

Ser gordo significa ouvir comentários de familiares sobre o que não se deve comer antes mesmo de fazer o prato.  É ouvir sugestões de dietas sem ter perguntado. É escutar comentários sobre o seu corpo sem você ter introduzido o assunto.

Ser gordo significa ser associado a uma pessoa carente e ser colocado num lugar de pena e dó por outras pessoas. Significa também que para você ser alvo de interesse sexual por outra pessoa, você então deve compensar o fato de ser gordo com outra característica psicológica, como, por exemplo, ser MUITO engraçado, ou uma pessoa “boazinha” que está SEMPRE disponível para todo mundo.

Ser gordo é ouvir constantemente que “você é tão bonito de rosto” como se o resto do seu corpo fosse algo repulsivo que deveria ser cortado. Você não aprendeu a vida toda que seu corpo deve ser odiado? E que ele é sinônimo de preguiça e letargia?

Você não acreditou a vida toda que a sua libido e potência sexual eram inversamente proporcionais ao tamanho do seu físico? Que você só poderia experimentar a liberdade sexual quando se adequasse ao padrão estético seguindo a máxima “emagrece que resolve”?

Como se só a condição da magreza pudesse te autorizar a entrar em contato com seu desejo. Por isso, muitas pessoas estabelecem como meta “quando eu emagrecer, vou paquerar e sair”, “quando eu emagrecer, vou transar o quanto eu quiser”.

Onde houve muita falta, compensa-se posteriormente com o excesso.

Esse é o mecanismo da restrição e compensação tão comum em quem sofre em relação ao corpo (a lógica do “tudo ou nada” que falamos em outros textos – leia O que a Psicologia tem a dizer sobre a Obesidade? e Efeito sanfona: entenda suas causas emocionais e como transformá-las).

Por isso, é tão recorrente a presença de compulsões no pós-operatório de cirurgia bariátrica numa premissa de compensar o tempo perdido. Onde houve muita falta, compensa-se posteriormente com o excesso.

a presença de compulsão não tem relação direta com o fato de ser gordo, mas com um comportamento restritivo. Quanto mais sacrifícios o sujeito faz em relação ao seu prazer e desejo, maior sua tendência a compulsões.

É interessante pensar assim que a presença de compulsão não tem relação direta com o fato de ser gordo, mas com um comportamento restritivo. Quanto mais sacrifícios o sujeito faz em relação ao seu prazer e desejo, maior sua tendência a compulsões. Quanto mais afetos são engolidos, maior a tendência de sua angústia escoar na forma de sintoma.

Ainda que no momento da ação haja uma vivência de prazer, o que os episódios de compulsão acarretam depois é um sentimento de culpa devastador. Tem-se a sensação de estar preso a uma gangorra emocionalmente intensa que assola o sujeito e faz com que ele se sinta refém de seus impulsos e emoções.

Digo isso porque já ouvi muito no consultório relatos de quem finalmente atingiu o peso desejado (seja por dieta ou por cirurgia bariátrica mesmo) e mesmo assim se sente frustrado em relação ao próprio corpo. “Não estou magra o suficiente” e “tudo bem, emagreci, mas continuo odiando meu corpo” são discursos bastante frequentes de quem perdeu peso.

Chega-se assim à conclusão que o que gera tanto sofrimento não é o peso em si, mas o que está para além dele. E aqui quero levantar importantes discussões:

  1. Por que só o corpo magro te autoriza a entrar em contato com o seu desejo?
  2. Por que ser gordo, além de uma condição física, te define enquanto sujeito?
  3. Faz sentido continuar sustentando o ódio do seu corpo que você foi ensinado a vida inteira a engolir goela abaixo?
  4. Quais as dores que esse corpo revela? Quais os traumas, os desejos engolidos, as decepções que se calaram e ficaram marcadas no físico?

Cuida-se desses afetos por meio de psicoterapia e não necessariamente emagrecendo.

  1. Que sofrimento é esse que fica depositado no corpo, mas que não tem a ver com ele e que não se resolve se você não cuida das suas emoções?
  2. Onde está você na sua história de vida?

Se você gostou desse texto, dê um like ou “compartilhar” aí embaixo para que mais pessoas possam se perceber para além do peso e ajudar a desmistificar a ideia que “emagrece que resolve”.

Quer saber de uma forma mais aprofundada como resgatar sua potência e autoestima na relação com seu corpo? Baixe agora mesmo gratuitamente nosso e-book “Transformando o peso em leveza” para não se sentir mais refém do sofrimento na relação com seu físico.

Nos vemos no próximo post!

Quer saber mais sobre autoestima, corpo e empoderamento?

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!>

 

2 Comentários


  1. É absolutamente invasivo e agressivo isso, né, Thais? Como se o outro tivesse tomado uma liberdade que não lhe foi oferecida. É assim que se constrói uma baixa autoestima e o sentimento de inadequação em relação ao corpo. O que quero mostrar é que tem algo muito equivocado com esse comportamento da sociedade e não com o próprio sujeito.

Escreva aqui seu comentário